Dossiê afrofuturismo: saiba mais sobre o movimento cultural

 

Captura de tela 2016-08-13 às 4.16.08 PM

Imagine uma viagem ao futuro, com elementos hi-tech, mas ao mesmo tempo com toques de ancestralidade. Assim podemos entender o Afrofuturismo, movimento pluridisciplinar que utiliza a música, as artes plásticas, a moda, entre “otras cositas más”, e que estabelece o encontro entre a história, o resgate da mitologia e cosmologias africanas com a tecnologia, a ciência, o novo e inexplorado.

Captura de tela 2016-08-13 às 4.02.26 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.02.15 PM

HISTÓRIA:

O Afrofuturismo surgiu na década de 60, em paralelo a efervescência da cultura Beatnik, que, por sinal, era forte entusiasta de ritmos afro-americanos. Um dos pioneiros do movimento afrofuturista foi o compositor de jazz, poeta e “filósofo cósmico”, Sun Ra:

Captura de tela 2016-08-13 às 4.04.36 PM.png

Captura de tela 2016-08-13 às 4.04.49 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.04.57 PM

O pseudônimo usado por Herman Poole Blount pontua um dos principais tópicos do movimento: a conexão com o passado, com o místico e primitivo. Afinal, o “Sun” nada mais é do que o regente, o poder, a luz e “Rá” é o Deus da mitologia egípcia que representa o atro-rei. O artista faleceu em 1993:

 

Porém, apenas em 1994, o Afrofuturismo tornou-se de fato um movimento cultural, graças ao escritor americano Mark Dery , que trouxe para um ensaio batizado Black To The Future: ficção científica e cybercultura do século XX a serviço de uma apropriação imaginária da experiência e da identidade negra, a definição da estética futurista afro.

O ambiente que surge do descompasso entre o fim das guerras civis na África e a reconstrução das cidades atingidas, fizeram com que artistas africanos comoKia Henda e Nástio Mosquito criassem as suas próprias interpretações e acrescentassem ao debate a importância da extinção do conceito da imagem do negro como pejorativamente exotizado, que muitas vezes é retratado por Hollywood. “Mostro como identificam o exotismo no africano e como isso propagou a imagem do negro, do preto, do tribal, o que constrói todo o preconceito.”, disse Mosquito, em matéria publicada na Folha de S. Paulo em 2010.

Captura de tela 2016-08-13 às 4.25.47 PM

Mas se por um lado a indústria cinematográfica americana conseguiu propagar a imagem do africano como exótica, alguns artistas contemporâneos da terra do Tio Sam também ajudaram a desmistificá-las. Nomes como Outkast e Janelle Monáe conseguiram levar o conceito para o mainstream de forma bastante positiva, inserindo elementos do jazz, ficção científica e psicodelia tanto em seus trabalhos, quanto na estética:

Captura de tela 2016-08-13 às 4.27.10 PM

Em 2014, o movimento ganhou um evento no MoMA PS1, o Moondance, que celebrou a cultura afrofuturista a partir da leitura, dança e experiências de música ao vivo, sempre fazendo valer a ideia da liberdade de expressão, autoconfiança e empoderamento.

 

ESTÉTICA:

– Referências ao misticismo, primitivo e a mitologia africana:

Captura de tela 2016-08-13 às 4.32.27 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.32.37 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.32.47 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.32.58 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.33.08 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.33.18 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.33.30 PM

Roupas sobrepostas, alongadas e com várias camadas:

Captura de tela 2016-08-13 às 4.39.18 PM.png

Captura de tela 2016-08-13 às 4.39.26 PM

– Elementos com mood Sci-Fi:

Captura de tela 2016-08-13 às 4.41.41 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.41.52 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.42.03 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.42.49 PM

Cabelos descoloridos:

Captura de tela 2016-08-13 às 4.49.17 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.49.45 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.49.58 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.50.07 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.50.51 PM.png

Metais SPecchio:

Captura de tela 2016-08-13 às 4.57.09 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.57.19 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.57.34 PM

– Makes em tons de azul e roxo:

Captura de tela 2016-08-13 às 4.59.47 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 4.59.55 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 5.00.06 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 5.00.14 PM

OUTRAS INSPIRAÇÕES:

Para ler: Octavia Butler e Ytasha Womack.

Captura de tela 2016-08-13 às 5.04.43 PM

Captura de tela 2016-08-13 às 5.05.00 PM

Para ver: Basquiat e Spike Lee.

Captura de tela 2016-08-13 às 5.08.03 PM

Para vestir: Project Tribe  e DaoLondon.

Captura de tela 2016-08-13 às 5.09.11 PM

Para ouvir: Parliament e Funkadelic

Captura de tela 2016-08-13 às 5.11.15 PM

Leia a matéria completa em: Dossiê Afrofuturismo: saiba mais sobre o movimento cultural – Geledés http://www.geledes.org.br/dossie-afrofuturismo-saiba-mais-sobre-o-movimento-cultural/#ixzz4HFEMb3CJ
Follow us: @geledes on Twitter | geledes on Facebook

 

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s